Online Consulting
  • Português (Brasil)
  • English (United States)
Home
A+ R A-
July 2019

Friday, 19 July 2019

Telecom Italia planeja venda de € 2 bilhões em ativos
Friday, 19 July 2019 16:46 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

Venda de fatia das Unidades de infraestrutura móvel e de crédito ao consumidor estariam nos planos.

alt
View of a Abstract connection structure with connecting dots and lines – 3d rendering

O jornal italiano La Republica publicou notícia na quarta-feira, 16, segundo a qual a Telecom Italia estaria planejando a venda de € 2 bilhões em ativos. A empresa, dona da TIM Brasil, estaria disposta a se desfazer de parte das ações da empresa de infraestrutura Inwit, da qual possui 60% do capital.

No começo do ano a Telecom Italia havia firmado acordo com a Vodafone para estudarem a fusão de suas unidades de infraestrutura, o que resultaria numa empresa detentora de 22 mil torres no país. Além do dinheiro obtido com a venda, a operadora conseguiria desbloquear dividendos com a operação, afirma o jornal.

A Telecom Italia também estaria planejando vende data centers  e a unidade de operação de crédito ao consumidor. A estratégia estaria sendo criada pelo CEO da companhia, Luigi Gubitosi e poderia ser apresentada ao conselho de administração em 1º de agosto.

Durante evento do qual participou no dia seguinte, no entanto, o executivo afirmou que não há estudo para a venda de data centers, mas que planeja sim um negócio com a unidade de crédito ao consumidor a partir da criação de uma joint venture com bancos. O dinheiro obtido deve ser usado para abater a dívida do grupo, atualmente na casa dos €25 bilhões. (Com noticiário internacional)


Bradesco Seguros apresenta novidade
Friday, 19 July 2019 16:46 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

FONTE: CQCS | Carla Boaventura

bradesco 1

O site do Clube de Vantagens Bradesco Seguros está de cara nova. O portal foi reestruturado com o objetivo de oferecer uma boa experiência para os usuários e de facilitar o acesso às ofertas e promoções especiais disponíveis. Além disso, o novo espaço conta com um layout mais simples, objetivo e funcional.

Entre as mudanças estão a home do site que foi desenvolvida para dar destaque as principais novidades, ofertas e produtos disponibilizados pelos inúmeros parceiros. Estão disponíveis serviços como viagens, restaurantes, farmácias, pet, produtos infantis, utilidades domésticas, eletrônicos entre outros produtos e serviços.

O Clube Bradesco Seguros foi o primeiro de vantagens desenvolvido pelo mercado de seguros, ele promove grandes descontos para os clientes da Bradesco Seguros nos grupos de Previdência, Vida, Residencial, Saúde, Dental, Capitalização e Cartão de crédito da seguradora. Através do serviço de localização, é possível que o cliente filtre os benefícios disponíveis em sua área de interesse.

O Clube de Vantagens está disponível no aplicativo Bradesco Seguros, onde também é possível consultar promoções e realizar compras de forma rápida e prática.


Exportações de produtos de telecom crescem 42,8% em junho
Friday, 19 July 2019 16:45 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.


Itens de comutação privada tiveram aumento de demanda externa, cujas vendas, em receita, aumentaram 16x.

 

Business vector created by Timmdesign - Freepik.com
Business vector created by Timmdesign – Freepik.com

As fabricantes brasileiras de equipamentos de telecomunicações venderam 42,8% mais para o exterior em junho deste ano do que no mesmo mês de 2018. As exportações do segmento somaram US$ 23 milhões no mês, ante US$ 16,1 milhões um ano antes. Na comparação com maio, as vendas cresceram 3,4%. Os produtos que tiveram maior aumento de procura foram os itens de comutação privada.

Já o segmento de informática registrou queda de 25,3% nas exportações (sobre junho de 2018), que somaram US$ 30,6 milhões. Em relação a maio, houve aumento de 1,8%.

No mês de junho de 2019, as exportações de produtos eletroeletrônicos somaram US$ 482,6 milhões, ficando estáveis (-0,1%) em relação a junho de 2018 (US$ 483,0 milhões).

Importações

As importações de produtos elétricos e eletrônicos atingiram US$ 2,49 bilhões no mês de junho de 2019, 8,3% abaixo do mesmo mês do ano anterior (US$ 2,71 bilhões).

No segmento de telecomunicações houve diminuição das compras externas. O segmento importou US$ 151,4 milhões, 35,9% menos que em junho de 2018. Sobre maio, a queda foi de 13,5%.

Em informática a retração foi de 10% ano a ano. As compras do exterior somaram US$ 143,8 milhões. Em relação a maio, houve aumento de 7,2%.

Acumulado

No acumulado do ano, as exportações de equipamentos de telecomunicações somaram somam US$ 140,6 milhões, alta de 41,5% sobre o primeiro semestre de 2018. As de informática caíram 12,1%, para US$ 169,8 milhões.

Já as importações cresceram 4,6% em telecomunicações, alcançando US$ 1,02 bilhão. Em informática caíram 5,7%, para US$ 858 milhões.

Os produtos mais importados pela indústria eletroeletrônica brasileira no ano foram semicondutores (US$ 2,48 bilhões), componentes para telecomunicações (também US$ 2,48 bilhões), e componentes de informática (US$ 739 milhões). Em todos os casos houve diminuição dos valores comprados.

Os dados, reunidos pela Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) indicam que a balança comercial do setor está negativa em US$ 13,05 bilhões neste ano, praticamente em linha com o mesmo período de 2018.


Avança rapidamente projeto que cria seguro de vida obrigatório
Friday, 19 July 2019 16:45 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

FONTE: CQCS

 

Avança rapidamente na Câmara o projeto de lei que cria seguro de vida obrigatório para servidores públicos da área de Segurança Pública. A proposta já está na Comissão de Finanças e Tributação, após ter parecer aprovado na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

Como o CQCS já noticiou, o autor da proposta, do deputado Léo Moraes (PODE-RO), explica que esse novo seguro será devido sempre que o fato gerador da morte ou invalidez do servidor tiver relação direta com a função pública, “quer seja no exercício direto ou em razão dela”, incluindo o deslocamento da residência ao local de trabalho e o retorno do local de trabalho para a residência.

Segundo o deputado, os integrantes dos órgãos de segurança pública há muito tempo carecem de um “tratamento digno” estabelecendo-se as condições mínimas para o exercício de suas funções. “Noticia-se diariamente a morte de um policial, seja no exercício de sua atividade ou em razão dela. Infelizmente, com a indiferença do Estado, muitas famílias ficam desamparadas.”, frisa o autor do projeto.

Ele acrescenta que a criação de um seguro de vida para a categoria importará em dignidade para a família do servidor morto ou para que o policial portador de deficiência possa prover o sustento básico dos seus filhos e receba um mínimo atendimento de saúde.

Já o relator, deputado Fábio Henrique (PDT-SE), apresentou parecer favorável por entender tratar-se de proteção à família do profissional, que ao ser vitimado, nada mais pode fazer por sua prole. “Significa o reconhecimento antecipado do Estado à responsabilidade e dedicação do profissional que porventura venha a falecer ou se tornar inválido”, diz o parecer aprovado.


Ouvidorias do setor segurador apresentaram 94% de efetividade nas demandas em 2018
Friday, 19 July 2019 16:44 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

FONTE: CNseg

9ª edição do Relatório de Atividades das Ouvidorias do Setor de Seguros CNseg acaba de ser lançada

As ouvidorias do setor segurador vinculadas à Confederação das Seguradoras (CNseg) atenderam a mais de 150 mil demandas em 2018, apresentando um índice de efetividade de 94%, ou seja, apenas 6% das demandas repercutiram em outras instâncias, como Susep, Procons e Ações Judiciais. Essas informações estão contidas na 9ª edição do “Relatório de Atividades das Ouvidorias do Setor de Seguros” – referente a 2018 – , elaborado pela CNseg por meio de sua Comissão de Ouvidoria. Para o Relatório, foram coletadas informações de 81 empresas e grupos associados, representando 90,1% da arrecadação de Seguros Gerais; 97,4% de Previdência Privada e Vida; 85,9% de Capitalização e 84,8% de Saúde Suplementar.

“O Relatório compõe um diagnóstico setorial das demandas dos consumidores nas Ouvidorias, com relação aos produtos e serviços ofertados pelas empresas de seguros. O objetivo desta publicação é apresentar o monitoramento das demandas, identificando temas de maior atenção e tendências, visando oferecer mais uma fonte de informações aos Ouvidores que os auxiliem no desempenho de sua missão”, afirma o presidente da CNseg, Marcio Coriolano.

Além de números de atendimento, detalhados por ramos, modalidades e por canais mais demandados, o Relatório de Ouvidoria ainda apresenta, ainda, os principais projetos desenvolvidos em 2018 pela Comissão de Ouvidoria, em parceria com a Comissão de Relações de Consumo, ambas da CNseg. Entre os destaques, a 4ª Celebração do Dia do Ouvidor e do Dia do Consumidor, o 6º Colóquio de Proteção do Consumidor de Seguros e a 8ª Conferência de Proteção do Consumidor de Seguros.

Segundo o presidente da Comissão de Ouvidoria da CNseg, Silas Rivelle Jr., os indicadores apresentados no Relatório “evidenciam a relevância do trabalho dos profissionais das Ouvidorias no exercício de suas atribuições de mediação, prevenção e solução de conflitos, propondo melhorias de produtos e processos”.

Sobre a CNseg

A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) congrega as empresas que compõem o setor, reunidas em suas quatro Federações (FenSeg, FenaPrevi, FenaSaúde e FenaCap). A missão primordial da CNseg é congregar as lideranças das Associadas, elaborar o planejamento estratégico do setor, colaborar para o aperfeiçoamento da regulação governamental, coordenar ações institucionais de debates, divulgação e educação securitária e representar as Associadas perante as autoridades públicas e entidades nacionais e internacionais do mercado de seguros.


Capitalização poderá ser usada em licitações
Friday, 19 July 2019 16:43 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.


 

 FONTE: DCI via Fenacor

titulos-de-capitalizacao-valem-a-pena

O DCI relata que o mercado de capitalização proporá inserir os títulos da nova modalidade de garantia na nova lei de licitações. Só nos cinco primeiros meses do ano, as receitas do setor avançaram 12% em relação a igual período de 2018, de R$ 8,623 bilhões para R$ 9,655 bilhões.

A iniciativa vem em linha com o surgimento do título como instrumento de garantia, modalidade possibilitada pelo novo marco regulatório do setor, em vigor desde abril deste ano. A linha, que antes era acoplada à modalidade tradicional e visava apenas contratos locatícios, ganhou atuação solo e a possibilidade de ser utilizada em qualquer outro tipo de contrato.

De acordo com o superintendente de riscos financeiros e capitalização da Porto Seguro, Luiz Henrique, apesar de ser muito cedo para perceber crescimentos advindos do novo marco, os produtos criados possuem um forte apelo ao consumidor e, por isso, a proposta de incluir títulos com finalidades para licitações e infraestrutura pode ser contemplada.



Terra Report - Março de 2019 - Edição nº 31
Friday, 19 July 2019 11:22 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

http://www.pellon-associados.com.br/portal/images/PDFs/Artigos/Terra%20Report%20Brasil%20201903%20v06.pdf

Last Updated ( Friday, 19 July 2019 11:27 )


Tuesday, 16 July 2019

Oi aposta na rede de fibra, mas não se desfaz da móvel. Vai vender R$ 7 bi de ativos
Tuesday, 16 July 2019 15:55 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

 


A estratégia da Oi para os próximos 3 anos vai fortalecer a sua maior riqueza – o backbone de fibra, com 363 mil Km- para se tornar a mais forte provedora de rede de transporte de dados no país. Tele também vai investir pesado no FTTH, para ser também forte no varejo da banda larga fixa e manter suas operações de telefonia celular. De onde virá o dinheiro? Venda de ativos e corte de custos. Crescimento previsto de receita será de 2% ao ano.

alt

A Oi apresenta hoje, 16, para o mercado, investidores e analistas a sua estratégia de atuação para o fim da Recuperação Judicial, prevista para o final de fevereiro. E a aposta da concessionária é fortalecer a sua maior riqueza – o backbone de fibra, com 363 mil Km – e investimento massivo na FTTH para se tornar a mais forte provedora de rede de transporte  e de varejo de dados no país. Anuncia também que irá manter as suas operações de telefonia celular, e se prepara para a 5G. De onde virá o dinheiro? Venda de ativos, que somarão R$ 7 bilhões, e corte de custos de R$ 1 bilhão ao ano a ser alcançado em 2021, além do crescimento da receita.

O foco estratégico da empresa será a sua rede de fibra, quando pretende se fortalecer tanto como provedora de oferta de dados no atacado, como no varejo. Para isso, ela irá manter os investimentos em seu backbone, fortalecendo e modernizando a rede para sustentar a demanda com os serviços de 5G que estão chegando.

Mas a empresa irá também com tudo para a rede de fibra ao usuário final, o FTTH, ou seja, quer ser uma grande fornecedora de banda larga rápida, para reagir àqueles que estão comendo seus mercados pelas bordas, entre eles os ISPs, que cresceram muito em sua região.

Com a aceleração massiva que pretende impor na rede de acesso da banda larga fixa, pretende alcançar 4,6 milhões de home passed (casas com fibra) até o final deste ano e 16 milhões em 2021. Esse aumento de investimentos  irá provocar um crescimento de 66% maior das casas cabeadas do que o inicialmente previsto pela operadora.

Esse grande impulso no crescimento da banda larga sobre a fibra se deve ao novo método de engenharia adotado pela Oi, de “rebordagem de uso”, que barateia e torna mais rápida a instalação das redes de fibra.

Móvel

Na telefonia móvel, a Oi avisa que tem planos para a 5G, mas não diz categoricamente que vai disputar o leilão de novas frequências previsto para março pela Anatel. 

Em sua estratégia, ela vai fazer o refarming (instalar nova tecnologia) na frequência de 1,8 GHz. Anuncia também que vai apostar nos clientes mais caros, e por isso quer aumentar market share no pós-pago, o que pode ser um alívio para os competidores, porque estava com planos bem agressivos no pré-pago, o que provocou uma queda nos preços nos últimos meses.

De onde vem o dinheiro

Para sustentar esse planejamento, a Oi contará, principalmente, com venda de ativos e resultados operacionais positivos. A empresa espera vender:

Venda em 2019:

*as torres de telecomunicações que ainda não foram vendidas;

* Unitel (operadora de telecomunicações de Angola);

Venda em 2020

*Data Center

* Ativos não estratégicos

Venda em 2021

* Imóveis (aqueles que forem autorizados pela Anatel)

Redução de Custos

Há também uma forte redução de custos, de R$ 1 bilhão em três anos. Os cortes serão feitos em vendas e marketing; processos organizacionais; Tecnologia da Informação (TI), Compras e rede.

Guidance

Até 2024 a Oi prevê crescimento anual de receitas de 2% ao ano (CAGR, ou taxa anual composta de crescimento); Ebitda (caixa) de rotina entre R$ 4,5 e R$ 5 bilhões este ano. E crescimento entre 15% a 20% no Ebitda de 15% a 29% até 2021.


Bloqueio de telemarketing vai avançar para outros serviços, diz Anatel
Tuesday, 16 July 2019 15:54 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.


Começou a funcionar hoje a plataforma “Não me Perturbe”, voltada para o cancelamento de telemarketing de telecom. Mas as operadoras terão mais 30 dias para fazer o bloqueio, segundo Fábio Koleski, gerente da Anatel

altDepois de acertar com as operadoras o lançamento hoje, 16, da plataforma “Não me Perturbe”, a Anatel (Agência Nacional de telecomunicações) pretende estender o bloqueio de chamadas para outros serviços de telemarketing agressivo que atormentam a vida do consumidor em todo país. A disposição da agência foi reforçada por Fábio Koleski, gerente de Relações Institucionais, Satisfação e Educação para o Consumo,  da Superintendência de Relações com o Consumidor da agência.

A nova plataforma gerida pelas operadoras de telecomunicações oferece o registro em um cadastro nacional único dos consumidores apenas referente aos serviços de telefonia móvel e fixa, banda larga e  TV paga. “A gente sabe que esse é o primeiro passo e não é a solução total dos problemas de telemarketing.  Outros serviços não regulados pela Anatel usam as redes das operadoras para chegar aos usuários, e estamos estudando como estender o bloqueio de chamadas indesejadas para ofertas que não sejam de telecomunicações. Isso envolve outras normas federais”, afirmou Koleski.

 

alt
Fábio Koleski: revisão no regulamento dos direitos do consumidor / Foto: Danilo Gondim

Durante a entrevista, o executivo da Anatel fez, porém, um alerta aos consumidores: O registro no cadastro nacional não terá efeito imediato. Ou seja, quem se inscreve hoje poderá continuar a receber ligações indesejadas. “30 dias é o prazo que tem unanimidade nas regras gerais sobre o tema, porque as prestadoras naturalmente trabalham com empresas terceirizadas, tem todo um fluxo até interromper e tirar o nome das listas de contatos, fluxo, aliás, que existe em todas as listas dos procons no Brasil. Existem 16 listas estaduais dos procons e todas preveem prazos”.

Se, por acaso, os consumidores não forem atendidos no prazo fixado pela plataforma, o gerente indica que reclamações poderão ser feitas na Anatel, nas ouvidorias das operadoras e nas ouvidorias das plataformas. As multas por descumprimento podem chegar a R$ 50 milhões.

A plataforma permitirá ao cliente registrar seu número de telefone para não receber ligações de telemarketing das maiores operadoras: (Algar, Claro, Oi, Nextel, Sercomtel, Sky, Tim e Vivo). É esperada que as demais operadoras do País aprimorem o atendimento dos consumidores que não querem ser incomodados. Bloqueios semelhantes já existem em 17 Estados. A vantagem da plataforma montada pelas operadoras é ter abrangência nacional.

Reforço no atendimento

Koleski destacou que a medida não irá contribuir para gerar uma onda de demissões no setor de telemarketing, considerado um dos segmentos da economia com forte absorção de mão de obra. “Esses trabalhadores do telemarketing poderão ser deslocados para melhorar outras áreas, como o do atendimento dos consumidores”, recomendou. 

De acordo com o gerente, o atendimento é um dos serviços prestados pelas operadoras que acumulam o maior número de reclamações, . A Anatel registra 13 mil reclamações, no primeiro semestre deste ano, contra o telemarketing agressivo. É uma pequena parcela, levando em conta que há 3 milhões de reclamações feitas por ano nesse canal.

Koleski explicou que a prática abusiva do telemarketing foi alvo dessa ação, feita em parceria com as operadoras, por conta da série de projetos em andamento no Congresso para coibir os abusos, reportagens sobre o assédio aos consumidores e a percepção geral do incômodo por ligações a qualquer hora e com ofertas insistentes. Mas trata-se de uma medida de autorregulação do setor. Por isso, acrescentou, a Anatel está revisando o regulamento relativo aos direitos do consumidor para estabelecer o que claramente deve ser vetado nas relações das operadoras com os usuários de seus serviços.


Oi prevê capitalização de até R$ 14,5 bilhões no novo plano estratégico
Tuesday, 16 July 2019 15:54 NOTÍCIAS GERAIS
There are no translations available.

Além dos R$ 4 bilhões obtidos com aumento de capital no começo do ano, Oi conta com créditos fiscais de devolução de PIS-Cofins, venda de torres e da Unitel neste ano, de data center e outros ativos em 2020, e imóveis em 2021.

Designed by Freepik
Designed by Freepik

O novo plano estratégico da Oi, divulgado hoje, prevê a a obtenção de até R$ 7,5 bilhões com a venda de ativos. Além disso, a empresa destaca que possui R$ 4 bilhões em caixa para investir em rede, resultantes do aumento de capital feito no começo do ano. Conta ainda com a liberação de créditos fiscais obtidos com a devolução de PIS/Cofins, conforme decisão judicial. Segundo a tele, será possível reaver no mínimo R$ 2,1 bilhões em créditos fiscais, mas o montante pode chegar a R$ 3,1 bilhões (R$ 1 bilhão ainda depende de uma ação em trâmite).

Tudo somado, a Oi conta com capitalização máxima de R$ 14,5 bilhões para financiar sua expansão até 2024, com foco em fibra, crescendo no segmento do atacado, no varejo com FTTH, no móvel pós-pago, além de entrar no leilão de frequências que será feito pela Anatel em 2020.

Além disso, a empresa prevê economias enormes, com o corte de mais R$ 1 bilhão de suas despesas operacionais anuais até 2021.

Venda de ativos e economia

Segundo o plano, a Oi venderá torres e ativos não-estratégicos ainda este ano e seu data center no primeiro semestre de 2020. A companhia também espera vender a participação que possui na operadora angolana Unitel e receber dividendos devidos por essa companhia até o final do próximo ano. Em 2021, venderá imóveis não considerados bens reversíveis. Com tudo isso, calcular receber entre R$ 6,5 bilhões e R$ 7,5 bilhões.

Já as economias que vão resultar em corte de R$ 1 bilhão nas despesas anuais da companhia até 2021 virão da simplificação da empresa em diversas frentes.

A Oi vai simplificar seu portfólio, a jornada do consumidor e rever a abrangência dos canais de venda. A tele também vai investir em automação e digitalização para simplificar processos internos, em continuidade ao que já vinha acontecendo, e deve promover a integração de empresas do grupo.

No segmento de TI, a operadora vai simplificar a arquitetura de sistemas, rever portfólio de serviços e projetos. Também deve negociar com fornecedores, revendo compras, preços e especificações. A companhia também diz que vai investir em eficiência energética na alimentação de sua rede.

Com esta economia, a Oi calcula que atingirá custos operacionais em linha com o mercado. Atualmente, a empresa é que a tem o maior Opex em relação à receita quando comparada a Claro, TIM e Vivo.


Page 1 of 3

Login

Register

*
*
*
*
*

* Field is required